CIRCUITO DO ESTORIL CLÁSSICOS

/CIRCUITO DO ESTORIL CLÁSSICOS
CIRCUITO DO ESTORIL CLÁSSICOS2019-04-15T14:00:13+00:00

CAMPEONATO DE PORTUGAL DE VELOCIDADE – CLÁSSICOS / CLÁSSICOS 1300

Triunfos saborosos para Macedo Silva e Jose Fafiaes (H75), Luís Carlos (GR5),
Joaquim Soares e Bruno Pires (H71), Pedro Poças e Fernando Xavier (H81)

Concentrando quase três dezenas de equipas, entre o pelotão de carros que animou o fim-de-semana do “Estoril Super Racing Series”, os Campeonato de Portugal de Velocidade de Clássicos e Clássicos 1300 brindaram o público presente nas bancadas com aguerridas corridas
(conjuntas), apimentadas com o tradicional espírito nostálgico.
E, na verdade, tanto no primeiro “round” (leia-se corrida), como no segundo, o triunfo foi assinado, com mestria, por Macedo e Cunha (Porsche 911 RSR). A única diferença é que enquanto na primeira corrida o vencedor da Categoria “H75” teve que recuperar de uma má partida, na segunda liderou de fio a pavio.
Com o seu Porsche a ser uma “carta fora do baralho” para todos os concorrentes perseguidores, as duas corridas tiveram muito mais “sumo” e tornaram-se bem mais emocionantes, “extrapolado” o binómio Macedo Silva/Porsche.
Foi o que aconteceu na primeira, onde Pedro Bastos Rezende (Porsche 911) chegou em segundo (da geral e entre os “H75”), depois de se desembaraçar da legião de Escort´s, liderada por Rui Azevedo, Joaquim Jorge, Rui Costa (a braços com problemas de pneus) e Jorge Areia.
Contudo, nesta categoria de “H75”, Bastos Rezende não foi tão eficaz na segunda corrida (sendo apenas 4º), deixando o protagonismo da luta pelo segundo lugar para os Escort’s de Costa e JJ (com problemas de direção), que aqueceram as hostes nas bancadas e que
acabou favorável a Costa.

Regularmente os mais rápidos em pista a seguir aos “H75”, os carros da Categoria “GR5” também deram o seu contributo para o sucesso da prova dos Clássicos. Neste particular, parte da responsabilidade recaiu sobre Luís Carlos, que levou o seu Ford Escort RS Mk II, duas vezes
à vitória, com exibições de luxo. E se na primeira corrida deixou atrás de si, Marco Pinto (BMW 2002), na segunda foi secundado por Jorge Leite (Mazda RX-2 S122A), com João Cruz (Ford Anglia de Luxe) a fechar o pódio da categoria em qualquer uma das corridas.
Nos “Históricos 71”, o mérito da vitória na primeira corrida foi para Joaquim Soares no Lotus Elan, enquanto Bruno Pires, no Datsun 1200 terminou os 20 minutos de prova na segunda posição, à frente do Porsche 914-6 GT conduzido por João Vieira. Algumas horas depois, o
triunfo mudou de mãos, mais exatamente para as de Bruno Pires, com João Vieira a garantir mais um segundo posto e Bruno Duarte (Alfa Romeo 2000 GT Veloce GTAM) a amealhar o degrau mais baixo do pódio.
Quanto aos “Históricos 81”, os triunfos acabaram repartidos por Pedro Poças (Porsche 924) e Fernando Xavier (VW Scirocco), com qualquer um deles a não conseguir terminar a corrida que não venceu. Mais regular, Nuno Augusto colecionou dois segundos lugares, ao volante do Ford Escort Mk 2.
Nos Clássicos 1300, foram os Datsun 1200 a ditar a lei, tanto no Campeonato de “H71”, como no dos “H75”. No primeiro caso, Bruno Pires inscreveu, por duas vezes, o seu nome no quadro de honra dos vencedores, superiorizando-se a Paulo Miguel no popular MG Midget na primeira corrida e na segunda ao mesmo Midget, mas então nas mãos de Fernando Charais. Cândido Monteiro (Datsun 1200) “fechou” o pódio, à frente de Veloso Amaral (Datsun 1000), que triunfou na “Classe 1000”.
Nos 1300 “H75”, as duas corridas tiveram os mesmos protagonistas, com José Fafiães (Datsun1200) a receber a bandeira de xadrez primeiro que João Braga (Datsun Sunny 1200), que assumiu a segunda e derradeira posição também em qualquer uma das corridas.